Um médico de Porto Alegre foi detido no Egito, no fim de semana, para prestar esclarecimentos, após publicar um vídeo nas redes sociais em que constrange uma vendedora egípcia. A informação foi confirmada pela irmã e assessora de comunicação do médico Victor Sorrentino, Patricia, na manhã desta segunda-feira (31). Mais de 2 mil ativistas, no Brasil e no Egito, se uniram para espalhar o vídeo nas redes sociais.

Em nota, a família do médico afirmou que as notícias sobre a prisão “são irreais e inverídicas” (leia a íntegra da nota ao fim da reportagem). O Itamaraty disse que “já foi informado sobre o caso e as autoridades brasileiras no Egito estão prestando assistência consular cabível ao cidadão”. O G1 fez contato com a Embaixada do Brasil no Cairo e aguarda retorno. Assista o vídeo denunciado por ativistas feministas ao Governo do Egito:

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Siga nosso Instagram

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

No vídeo (veja acima), Sorrentino está em um bazar turístico, no país estrangeiro, onde uma mulher mostrava como o papiro é feito — parecido com o papel, material era usado pelos antigos egípcios para escrever. O médico aparece perguntando a ela em português: “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né?” Depois, em tom de deboche, ele ainda afirma: “E cumprido (sic) também fica legal, né?”. A vendedora, que não entende direito o que foi dito, responde “sim”, enquanto ele e os amigos riem. Após a repercussão do vídeo, ele restringiu o acesso dos perfis nas redes sociais. A conta do médico no Instagram tem quase 1 milhão de seguidores.

VÍDEO DE VENDAS SPVL 20 - DR VICTOR SORRENTINO on Vimeo

Esposa defende médico preso

A esposa do médico, a empresária Kamila Monteiro, publicou numa rede social um texto sobre o marido. “O mundo está cada vez mais complexo, as pessoas vendo maldade em absolutamente tudo, mas nossa vida sempre se volta à simplicidade, ao olhar tudo pelo lado positivo e tentar não julgar. (…) Este é ele, estes somos nós, humanos de verdade!”.

Postagem de Kamila Monteiro, esposa do médico. — Foto: Redes sociais

No domingo (30), o Ministério do Interior do Egito emitiu um comunicado sobre medidas judiciais que foram tomadas contra um estrangeiro. O comunicado não cita o nome do médico. “O Ministério do Interior conseguiu prender um estrangeiro após assédio a uma mulher, depois que ele publicou um vídeo com imagens do incidente em uma rede social, onde os serviços de segurança conseguiram identificar a vítima e o autor, e tomar as medidas judiciais contra ele e apresentar ao Ministério Público competente”, afirmou o órgão. O Egito criminalizou assédio sexual em 2014. A lei prevê multas ou pena de seis meses a três anos de prisão. No ano passado, o parlamento egípcio aprovou uma lei para manter a identidade das vítimas de agressão e assédio sexual em sigilo. O objetivo é proteger a reputação e incentivá-las a registrarem os casos.

Um dia após assediar egípcia, médico pediu desculpas: "Brincadeira"

Nota da família de Victor Sorrentino

“Vimos, por meio desta informar, que são irreais e inverídicas as manchetes de prisão do Dr. Victor Sorrentino. O médico está prestando esclarecimento às autoridades para desfazer, assim como já havia feito, inclusive, com a própria egípcia, os vieses maldosos implementados aos seus atos por parte da imprensa, na última semana. Assim, quando terminados os trâmites no país, o Dr. Victor retornará e explicitará todo o ocorrido”.

Victor Sorrentino - YouTube