O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antônio Barra Torres, disse que os dados apresentados pela fabricante da Sputnik V, vacina russa contra a covid-19, apontaram que o imunizante é “uma ameaça à saúde da população”. Em entrevista publicada nesta 6ª feira (30) pelo jornal Valor Econômico, o chefe da agência fez críticas à postura do Instituto Gamaleya e do RDIF (Fundo Russo de Investimento Direto), responsáveis pela produção e distribuição da vacina.

“A vacina Sputnik V foi rejeitada porque, nos documentos apresentados pelo próprio instituto russo, e também nas reuniões que fizemos com eles, foram apresentados dados que representavam uma ameaça à saúde da população”, declarou Barra Torres. O diretor-presidente apontou falta de transparência nos dados entregues pelos fabricantes da vacina russa.

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Siga nosso Instagram

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Bolsonaro recusa convite de diretor da Anvisa para se vacinar contra  covid-19 | Poder360

“Havia tanto uma escassez de informações transparentes e sólidas quanto, naquelas que foram apresentadas, índices inaceitáveis da presença de vírus replicante. É o vírus que pode se reproduzir de uma maneira não controlada, de uma maneira não evitável e, portanto, com consequências imprevisíveis e imponderáveis”, afirmou. Barra Torres comentou ainda o “desafio” feito pelos fabricantes para um debate com a equipe técnica da Anvisa. Segundo ele, os russos fazem “manobra retórica” com a proposta. “Nenhuma chance [de acontecer um debate]. Até porque eles próprios sabem que isso é mais uma manobra de retórica. Essas análises envolvem dossiês em que a propriedade industrial, inclusive, tem que ser preservada. A Anvisa não é uma agência debatedora, é uma agência reguladora”, disse.

Russos processão a Anvisa

Nessa 5ª feira (29.abr), o RDIF (Fundo Russo de Investimento Direto), responsável pela produção e distribuição da vacina Sputnik V, afirmou que iniciará um processo judicial contra a agência brasileira por causa de “declarações incorretas e enganosas”. O fundo também disse que a agência teria “desconsiderado documento oficial enviado pelo Instituto Gamaleya sobre a ausência de adenovírus replicante”. A página da Sputnik V no Twitter publicou que o gerente de Medicamentos, Gustavo Mendes, teria “admitido o erro” ao dizer que a agência “não fez um teste para verificar se há adenovírus replicado” na vacina.

Proibição

Na última 2ª feira (26.abr), a Anvisa negou a permissão para importação e uso emergencial excepcional da vacina Sputnik V. Técnicos argumentaram ter identificado falhas no desenvolvimento, na qualidade e na segurança da vacina russa. Todos os 5 diretores votaram para barrar a Sputnik V, depois de 5 horas de reunião. Na ocasião, afirmaram que a Sputnik V usa como vetor o adenovírus. Ele é usado como “transporte” do material genético do coronavírus que irá condicionar o organismo a combater e neutralizar a infecção. Nesses casos, o adenovírus é manipulado para não se replicar dentro do corpo. Mas, segundo a Anvisa, os técnicos encontraram adenovírus replicantes em todos os lotes da Sputnik V submetidos ao controle de qualidade da agência. O fabricante nega. O RDIF afirma que os únicos tipos de adenovírus replicantes utilizados na vacina são “inofensivos para o corpo humano”. // Poder360.