Em 28 de janeiro de 2018, Hilda Rodrigues de Oliveira presenciou a morte do policial civil Luiz Cláudio Batista Lopes, no bairro de Engenho Velho da Federação. Ele já tinha sofrido uma tentativa de homícidio um ano antes, mas saiu ileso. Na época do atentado, a polícia atribuiu o episódio a uma briga de facção na área. Lopes morreu ao ser surpreendido na porta de casa por quatro homens armados. O tempo passou e, um ano depois de ter visto a vida amigo ser ceifada pelo crime, Hilda Rodrigues de Oliveira, 52 anos, foi a vítima da criminalidade.

Por volta de 19h13 da noite deste sábado (9), Hilda foi foi alvejada por tiros no depósito de bebidas em que trabalhava. Ela era dona do estabelecimento localizado na Rua Apolinário de Santana, próximo ao Beco da Rabada. Por ter presenciado a morte do policial, era Hilda a principal fonte de informação que poderia levar a polícia aos responsáveis. E essa é a tese mais levantada pelos vizinhos. “Mataram ela por acharem que era uma informante da polícia”, relata um morador que era conhecido da vítima.

Assassinato de Luiz Cláudio

O policial civil Luis Cláudio Batista Lopes, 58 anos, chefe do Serviço de Investigação (SI) da Delegacia do Adolescente Infrator (DAI) de Salvador, foi morto a tiros na tarde 28 de janeiro de 2018, no Beco da Rabada, no Engenho Velho da Federação. Segundo informações da PM, policiais da 41ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Federação) foram acionados após uma suposta troca de tiros na Rua Apolinário Santana. O crime aconteceu na parte da tarde. De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Luis Cláudio estava saindo de casa com a esposa quando foi surpreendido por um grupo armado.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

O policial morava na Avenida Francisco e estacionava o carro no beco. Ao tentar sair, foi surpreendido pela ação. Um vizinho do policial acordou assustado com os tiros e se jogou no chão, mas não soube precisar a quantidade de disparos. De acordo com agentes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), mais de dez tiros foram disparados. Luis Cláudio foi baleado no pescoço, tórax e braço esquerdo. Com informações do BNews e do Correio.