WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
Fevereiro 2019
D S T Q Q S S
« jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728  


:: ‘Brasil’

Em vídeo no hospital, Bolsonaro agradece a médicos e diz que SUS ‘pode melhorar muito’

Resultado de imagem para Em vídeo no hospital, Bolsonaro agradece a médicos e diz que SUS 'pode melhorar muito'

Presidente está internado há 15 dias no Hospital Albert Einstein em São Paulo. Bolsonaro disse esperar que a PF apresente, nas próximas semanas, uma solução para o caso do atentado que sofreu. O presidente Jair Bolsonaro divulgou vídeo neste domingo (10) em que agradece a profissionais de saúde que o atenderam, em Juiz de Fora (MG) e em São Paulo, e afirma que o governo trabalhará para aprimorar o Sistema Único de Saúde (SUS), que “pode melhorar e muito”. O vídeo foi gravado no Hospital Albert Einstein em São Paulo, onde Bolsonaro está internado há 15 dias. Ele se recupera de uma cirurgia para a retirada da bolsa de colostomia. “Sabemos que pouca gente tem um tratamento como esse [o do Hospital Albert Einstein], mas temos plena consciência que o nosso SUS pode melhorar e muito. Tudo faremos para que isso se torne uma realidade”, afirma o presidente na gravação. No vídeo, Bolsonaro também diz esperar que, nas próximas semanas, a Polícia Federal apresente uma “solução” para o caso do atentado que sofreu no dia 6 de setembro durante ato de campanha em Juiz de Fora. Assista:

:: LEIA MAIS »

Brasil: “Contran dificulta a vida do motorista”, diz Bolsonaro, que prepara pacote de medidas

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado em rede social que o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, vai anunciar medidas de ‘desburocratização e economia’ para o trânsito. Bolsonaro mencionou algumas medidas como a ampliação da validade da carteira nacional de habilitação (CNH) e fim da obrigatoriedade de aulas em auto-escolas com simuladores. Sem dar detalhes das mudanças, o presidente também afirmou que “medidas que afetam caminhoneiros serão extintas ou revistas” e falou em simplificação do emplacamento.

A resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que tornou obrigatório o uso de simuladores pelas auto-escolas é de 2015. Na mesma publicação, o presidente afirmou que o Contran atrapalha a vida de quem transporta no Brasil. “O Contran emite cerca de 100 resoluções/ano atrapalhando a vida de quem transporta no Brasil”, disse Bolsonaro. No fim do ano passado, o presidente já havia falado em estender a validade da CNH. Atualmente, a CNH tem validade de cinco anos. Com a reforma ministerial feita em janeiro, o Contran passou a ser subordinado ao Ministério da Infraestrutura, comandado pelo ministro Tarcísio Gomes de Freitas. Até então, o conselho estava ligado ao extinto Ministério das Cidades.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Partido de Bolsonaro criou candidata laranja para usar verba pública de R$ 400 mil

O grupo do atual presidente do PSL, Luciano Bivar, recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados, criou uma candidata laranja em Pernambuco que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro público na eleição de 2018.

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, Maria de Lourdes Paixão, 68, que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o país.

A quantia destinada à candidata foi do que a do próprio presidente Jair Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann, que recebeu 1,079 milhão de votos.

O dinheiro do fundo partidário do PSL foi enviado pela direção nacional da sigla para a conta da candidata em 3 de outubro, quatro dias antes da eleição.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Ex-Bahia, Jael recebe proposta de clube do Japão e pode deixar o Grêmio

Se Diego Tardelli negocia para reforçar o Grêmio, Jael tem conversa em andamento para fazer o caminho contrário. No clube gaúcho desde 2017, o centroavante recebeu proposta de um clube do Japão – de nome ainda não revelado, e dialoga com os dirigentes gremistas sobre a saída do Brasil. A liberação depende de compensação financeira e da tratativa com Tardelli.

Segundo o Portal UOL Esporte, esta é a segunda vez que o clube japonês e o Grêmio conversam neste início de 2019. Na primeira conversa, o clube gaúcho disse ‘não’ pelos valores envolvidos e avaliação da comissão técnica sobre o elenco.

Titular em boa parte da temporada passada, o ex-atacante do Bahia é visto como alternativa bem específica e sem substituição no atual grupo de jogadores. A liberação não geraria dinheiro capaz de bancar a contratar de outro jogador igual, além de retirar características que Renato gosta. Por isso a saída foi travada.

Jael renovou contrato com o Grêmio no final de 2018. O atual vínculo se estende até dezembro de 2020. Pelo clube gaúcho, o centroavante já marcou 14 gols em 64 partidas.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Brasil lidera aumento das pesquisas por temas de saúde no Google

Em seu consultório, as queixas mais comuns dos pacientes são dor de garganta, resfriado, alergia e tosse, mas vem crescendo o número de pessoas que buscam respostas para quadros de ansiedade e depressão. Alguns doentes dizem ter recebido o diagnóstico correto graças as informações passadas por ele. Outros reclamam de que suas hipóteses são alarmistas e levam a um pânico desnecessário frente a qualquer sintoma. Dr. Google, como vem sendo chamado, não é formado em Medicina nem sequer humano, mas 26% dos brasileiros recorrem primeiramente a ele ao se deparar com um problema de saúde.

As conclusões são de uma pesquisa do Google sobre como os brasileiros pesquisam e consomem conteúdo de saúde na plataforma de busca e no YouTube, site pertencente ao mesmo grupo. O levantamento, obtido com exclusividade pelo Estado, revela que o Brasil é o País em que as buscas referentes à saúde mais cresceram no mundo no último ano. A alta também foi maior do que a média de buscas em outras categorias dentro do Brasil. Enquanto as pesquisas de saúde cresceram 17,3%, as de cuidados com cabelos aumentaram apenas 3%. As de maquiagem caíram 4%.

O índice de brasileiros que buscam o Google como primeira fonte de informação em casos de problemas de saúde já chega próximo ao dos que buscam imediatamente um médico. São 26% que têm o mecanismo de busca como primeira opção, contra 35% que recorrem a um médico.

“Mais de 70% da população brasileira não tem plano de saúde, a maioria não tem acesso à dentista, mas essa população é sedenta por informação. Na falta de acesso ao sistema de saúde, o brasileiro recorre muito à internet para tentar solucionar seus problemas. A internet acaba sendo um dos únicos recursos para as classes C, D e E”, diz Fabiana Kawahara, gerente de Insights e Analytics do Google Brasil. De fato, enquanto apenas 25% dos brasileiros têm plano de saúde, cerca de 79% está conectado à internet.

O cenário, ao mesmo tempo que ajuda a democratizar a informação e empoderar o paciente, traz também riscos e prejuízos. Com o alto volume de informação que circula pelas redes, parte dela incorreta ou exagerada, o aumento nas buscas de saúde leva alguns brasileiros a adotarem práticas ou tratamentos sem evidência científica, divulgados em sites ou vídeos. Outro problema é o surgimento dos chamados cibercondríacos, condição em que a pessoa, a partir de informações da internet, fica obsessiva ou angustiada com a ideia de ter uma doença grave.

A terapeuta integrativa Andréa Lopes, de 45 anos, conhece bem o lado bom e o ruim da utilização dessa ferramenta. Por um lado, conseguiu graças às pesquisas feitas na web antecipar um diagnóstico de doença celíaca. Por outro, se assusta com as possibilidades de evolução da doença ao ler sobre ela nos sites indicados pelo Google.

“Quando passei mal e fui ao pronto-socorro, ninguém me deu um diagnóstico e, como dependo do SUS, tive que esperar alguns meses até a consulta com o especialista. Pesquisando no Google e em grupos do Facebook, comecei a ver os sintomas e me identificar com o caso. Já mudei minha alimentação porque se fosse esperar a confirmação do diagnóstico, poderia ter outras reações graves”, conta ela, que teve a doença detectada oficialmente por um médico cerca de um ano depois dos primeiros sintomas. “Com a ajuda da internet, de certa forma eu antecipei meu tratamento e a prevenção”, diz.

Agora, porém, ela enfrenta o lado angustiante de ter informação à mão. “Pessoas com doença celíaca têm risco maior de ter outras doenças, como esclerose múltipla, então eu tento não ficar procurando muito sobre isso para não me desesperar. Coloco bem o pé no chão e, se tenho alguma dúvida, anoto para confirmar com a minha médica”, conta Andréa.

Para especialistas médicos e do próprio Google, a produção de conteúdo de saúde de qualidade para a internet é a melhor forma de combater os sites com informações erradas ou imprecisas. Foi pensando nisso que o ortopedista Rodrigo Calil, de 40 anos, e outros dois colegas que cursaram Medicina na mesma época na USP, resolveram criar um canal no YouTube para explicar de forma simples os principais sintomas e doenças. Inaugurado em 2016, o Doutor Ajuda! tem mais de 350 mil inscritos. “A ideia veio com a observação da quantidade de pacientes que chegavam ao consultório com informações de sites sensacionalistas, completamente equivocadas, enquanto o mais básico, sobre sintomas cotidianos, eles não sabiam. Era preciso fazer um conteúdo bem embasado, mas com linguagem acessível ao paciente”, afirma Calil. “Mas, apesar disso, sempre deixamos claro que nenhuma informação substitui uma consulta médica”, destaca.

A linguagem acessível de alguns conteúdos da internet e a abundância de informações sobre um tema são fatores que acabam levando os pacientes a buscarem mais o Google do que o consultório. “Já fui em médico que faz a consulta bem rápida. Só passa o remédio e nem explica nada. Daí a gente acaba recorrendo ao Google para ter mais informação”, diz o biólogo Ricardo Gonçalves Montera, de 32 anos, que sofre de tendinite no joelho e, embora faça tratamento com um especialista, usa a internet para buscar exercícios físicos indicados para o seu caso e outros métodos analgésicos.

Montera diz que, embora use o mecanismo de busca com frequência para questões de saúde, tem o cuidado de consultar apenas bases confiáveis ou científicas. “Como eu sou da área da saúde, acabo buscando artigos científicos, bases de dados como Scielo e PubMed ou veículos de imprensa confiáveis”, conta.

Corregedor do Conselho Federal de Medicina (CFM), José Fernando Vinagre afirma que, da parte do internauta, é importante checar se a fonte é confiável. Mas cabe ao médico também, diz ele, sempre estabelecer uma relação de confiança e empatia com o paciente para que ele confie no profissional e não acredite em qualquer informação veiculada nas redes. “E para os médicos que produzem conteúdo para a internet, há normas éticas a serem seguidas também, como sempre publicar seu nome completo e o número do CRM, para que o espectador tenha como checar sua formação, e não fazer autopromoção nem publicidade”, diz.

Também preocupado com a qualificação das informações em saúde, o Google Brasil tem apostado em parcerias com instituições reconhecidas no setor. Em 2016, se aliou ao Hospital Albert Einstein para produzir fichas com informações sobre causas, sintomas e tratamento de diversas condições de saúde que aparecem com destaque na primeira página da busca do termo. Após três anos da parceria, já são mais de mil verbetes com explicação. “Também temos parceria com a Fiocruz para qualificação de informações sobre epidemias, bases de dados de saúde e deveremos ampliar as parcerias em 2019. O Google percebe a responsabilidade que tem e tenta garantir que quem está dando a resposta tenha gabarito para isso”, diz Luciana Cordeiro, gerente de Parcerias de Produto do Google Brasil.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Fatalidade: Henrique & Juliano cancelam show após integrante cair e morrer na montagem do palco

O show da dupla sertaneja Henrique e Juliano, que ocorreria na noite deste sábado no Centro Park, em Uberaba, foi cancelado depois que um funcionário da equipe técnica da banda morreu eletrocutado. O incidente ocorreu no momento em que o funcionário fazia ajuste no palco onde ocorreria o show. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o homem ainda caiu de uma altura de 6 metros depois de levar um choque elétrico. A vítima teve uma parada cardíaca, chegou a receber atendimento médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e Corpo de Bombeiros, mas não resistiu.

O Corpo de Bombeiros informou que o evento tinha alvará e estava de acordo com as normas da corporação. Explicou ainda que um engenheiro assumiu a responsabilidade pela instalação elétrica e mecânica. Na página oficial da dupla no Instagram, eles lamentaram a morte de Carlos Barbosa de Souza, conhecido como Carlão, após o acidente. Confira:

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

:: LEIA MAIS »

Quase mil novos serviços educacionais passam a integrar portal federal

Portal de Serviços

Um total de 964 serviços em 104 instituições ligadas ao Ministério da Educação poderão ser mais facilmente acessados a partir de amanhã (11). Antes dispersos em diversas páginas da internet, eles estarão concentrados no Portal de Serviços do Governo Federal, no endereço www.servicos.gov.br.

Com a inclusão desses serviços, o portal passará a concentrar mais de 2,8 mil ferramentas à disposição do cidadão. A inclusão das funcionalidades só foi possível por causa da terceira fase do Censo de Serviços do Governo Federal, cujos resultados serão apresentados amanhã (12) em Brasília.

Conduzida pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), sob orientação do Ministério da Economia, a pesquisa teve o apoio do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) e da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). Nessa fase do censo, os técnicos rastrearam serviços na área de educação ainda não incluídos no portal único.

Além de incluir os serviços educacionais ao portal, a Enap apresentará os principais resultados da pesquisa, com foco no nível de digitalização dos serviços públicos federais e sua forma de entrega à população. Segundo o Ministério da Economia, a ampliação do governo digital busca melhorar e facilitar a vida dos usuários de serviços públicos, por meio da simplificação e do uso de soluções tecnológicas.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Vale pediu autorização para obras que colocavam barragem em risco; governo aprovou

Pouco mais de um mês antes da tragédia provocada pelo rompimento de uma barragem em Brumadinho, a Vale obteve autorização do governo de Minas Gerais para expandir as minas do Córrego do Feijão, onde ocorreu o desastre.

No entanto, as obras previstas contrariavam algumas recomendações de segurança do relatório da consultora Tüv Süd, segundo o site G1.

Elaborado em julho de 2018 a pedido da própria Vale, o laudo da companhia alemã atestou a estabilidade da estrutura, mas detectou problemas no sistema de drenagem e fez ressalvas – a estabilidade do alteamento estava no limite de segurança das normas brasileiras.

O documento da consultoria recomendou proibir explosões nas redondezas da mina, evitar o tráfego de veículos e equipamentos pesados e impedir a elevação do nível da água na estrutura.

Já o licenciamento para expansão das minas aprovado em 11 de dezembro pela Secretaria do Meio Ambiente (Semad) de Minas Gerais previa uso de explosivos, retroescavadeiras para remoção mecânica de rejeitos e caminhões de grande porte para transportar materiais.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Veja as principais manchetes dos jornais deste domingo (10

A Tarde:

 Microempresas lideram geração de empregos

:: LEIA MAIS »

Cientistas do MIT criam pílula de insulina para substituir injeção

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) desenvolveram uma cápsula com insulina que, ao ser ingerida por via oral, libera a substância no estômago. Depois de anos de estudos, os diabéticos do tipo 1 estão mais perto de substituir as injeções diárias. Os resultados foram publicados pela “Science”.

Diabetes: as respostas para as 5 dúvidas mais frequentes sobre a doença
“Estamos realmente com esperança de que esse novo tipo de cápsula possa ajudar pacientes diabéticos e, talvez, qualquer pessoa que precise de terapias que só podem ser administradas por injeção”, disse Robert Langer, professor do Instituto David H. Koch e membro do MIT.

O diabetes ocorre quando o pâncreas não produz insulina – hormônio que controla a glicose no sangue e fornece energia ao organismo – ou quando o corpo não consegue mais utilizar a insulina que produz. Para resolver isso, as injeções da substância são administradas na região do abdômen.

“O diabetes 1, diferente do tipo 2, tem uma deficiência absoluta de insulina”, explica o endocrinologista Renato Zilli, do hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

“Então, a pessoa acaba tomando de 5 a 7 picadas de agulha por dia. O grande problema que temos no tratamento da doença é ter a certeza absoluta da dose. Precisamos ter a certeza que o produto vai ser absorvido pelo corpo”.

Ter uma pílula de insulina era um desafio para os bioengenheiros. A inspiração para a criação foi encontrada na tartaruga-leopardo. O animal, encontrado na África, tem um casco alto e íngreme, que permite que se apoie e se reposicione ao “rolar de costas”.

Os cientistas usaram esse modelo de casco para criar a cápsula – a ideia era copiar a capacidade de auto-orientação do animal para a pílula chegar até a parede do estômago. Dentro dela, uma agulha é presa a uma mola, que é protegida por um disco de açúcar. Quando ela é engolida pelo paciente, a água dissolve a parte açucarada e libera a mola. A agulha, que tem uma ponta feita de insulina, atinge a parede do estômago.

No começo dos estudos, os cientistas colocaram uma pequena quantidade: 300 microgramas de insulina. Gradualmente, conseguiram aumentar a dose para 5 miligramas, quantidade compatível com a necessidade de um paciente com diabetes tipo 1.

“O importante é que temos uma agulha em contato com o tecido quando a insulina é injetada”, diz Alex Abramson, estudante de pós-graduação do MIT e principal autor da pesquisa.

Os testes foram feitos em ratos e suínos. Demora mais de uma semana para as cápsulas se moverem por todo o aparelho digestivo, mas o processo não causa danos aos tecidos dos animais. O processo foi considerado seguro. Depois que a cápsula faz o caminho, ela passa de forma inofensiva pelo corpo da pessoa – é feita de um material biodegradável e de componentes de aço inoxidável, totalmente eliminada nas fezes.

“A entrega oral de medicamentos é um grande desafio, especialmente para drogas proteicas. Há uma tremenda motivação em várias frentes para encontrar outras formas de distribuir as drogas sem usar agulha para aplicação”, disse Samis Mitragotri, professor de engenharia química da Universidade da Califórnia, um dos envolvidos no assunto.

No Brasil, entre os anos de 2006 e 2016, o número de diabéticos aumentou 61,8% – a doença atinge 8,9% da população. Os dados são da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde. Leia mais AQUI.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

blog do marcelo




WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia