Vanessa Machowski, 18 anos, foi morta após ser atropelada em Itajaí, no Litoral Norte catarinense, na noite de domingo (10). A vítima foi atingida minutos depois de sofrer assédio verbal do motorista, segundo a Polícia Militar. O suspeito, de 35 anos, foi preso em flagrante e deve responder por homicídio qualificado e embriaguez ao volante. A prisão preventiva dele foi decretada na segunda-feira (11). O sepultamento de Vanessa ocorre nesta terça (12).

Vanessa estava com o namorado, de 21 anos, no bairro Cordeiros por volta das 21h30 no domingo (10). Ele disse à Polícia Militar que ambos conversavam, ele dentro da cabine de um caminhão estacionado e ela do lado de fora, quando uma caminhonete Tucson parou ao lado da jovem. O motorista de 35 anos a assediou verbalmente. O namorado, então, desceu do caminhão para ver o que estava ocorrendo. O motorista da Tucson também saiu do carro. Segundo o namorado da vítima, ele estava com fortes sinais de embriaguez. Houve uma discussão e o motorista da Tucson voltou para o veículo e saiu do local. Depois de cerca de 5 minutos, porém, ele voltou e jogou o carro em cima da jovem. Ela foi esmagada contra o caminhão e o autor do atropelamento fugiu em alta velocidade.

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Siga nosso Instagram

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Carro Tucson, usada por homem que foi preso em flagrante em Itajaí — Foto: Polícia Militar/Divulgação

Socorro à vítima

A jovem recebeu os primeiros socorros no local e depois foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Cordeiros pelo Corpo de Bombeiros Militar, mas não resistiu. Os socorristas encontraram a vítima inconsciente. Conforme os bombeiros, ela teve politraumatismo e suspeita de hemorragia interna.

Fuga do suspeito

A Polícia Militar foi chamada e fez buscas. Os agentes encontraram o motorista da Tucson deitado na rua com alguns cortes no rosto. O carro foi encontrado em uma via em frente à casa dele. O veículo estava amassado, indicando que houve a batida. Segundo a PM, o motorista confirmou que jogou o carro na direção da jovem. Como ele estava ferido, ele foi levado para a UPA do bairro Cordeiros. O carro Tucson foi guinchado. Segundo a PM, o homem tem passagens policias por injúria, difamação, lesão corporal contra a mulher e pertubação ao sossego. Agente identificaram sinais de embriaguez.

Vanessa Machowski — Foto: Reprodução/Redes sociais

Prisão preventiva

Segundo a decisão da juíza Anuska Felski da Silva, da 1ª Vara Criminal de Itajaí, há indícios suficientes de autoria e prova de materialidade nos autos para a conversão da pena preventiva. A sentença proferida na segunda (11). “Considerando o contexto social de violência em relação às mulheres, demonstra que medidas cautelares alternativas são insuficientes para evitar que o réu venha novamente dirigir embriagado, insultar mulheres supostamente desconhecidas na rua e agir de modo a ceifar-lhes a vida, o que, sem dúvida, gera intranquilidade no seio social, e reclama a medida extrema”, escreveu a juíza.

Vanessa Machowski — Foto: Reprodução/Redes sociais

A magistrada ainda destacou, na decisão, a hipótese de feminicídio, “já que há indícios de que o condutor a teria assediado, dizendo-lhe ‘gostosa’, sendo que após ser repreendido e ter discutido com o namorado desta (homem), prosseguindo em atitude – também em tese – de desvalor à vítima (mulher), projetou seu carro contra a mesma, ceifando-lhe a vida”. O crime de homicídio qualificado é previsto no artigo 121 , parágrafo 2° do Código Penal e prevê pena de 12 a 30 anos de prisão. Já a embriaguez ao volante, prevista no artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro, tem pena de 6 meses a 3 anos de prisão e suspensão da CNH. // G1-SC.

Vanessa Machowski — Foto: Reprodução/Redes sociais