A mãe do jovem Guilherme de Souza, 21 anos, que morreu após ser agredido com pauladas e pedradas, além de ter o corpo queimado, em Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, denunciou à polícia que, após enterrar o corpo do filho, recebeu do Departamento de Polícia Técnica (DPT), na terça-feira (17), restos mortais do menino, que não tinham sido entregues anteriormente.

Guilherme foi morto em julho, o corpo dele só foi liberado dois meses após o crime. A família fez o sepultamento ainda em setembro e acreditou que, nesse sentido, o caso já estava encerrado. No entanto, na terça-feira, a mãe de Guilherme, Franciele de Souza, foi ao IML de Barreiras, cidade vizinha a Luís Eduardo Magalhães, após ser acionada pelo órgão, e descobriu que o jovem foi enterrado sem um pedaço do corpo. Ela conta que foi ao IML acreditando que receberia o resultado do DNA, exame que foi necessário para reconhecimento do filho, já que o jovem foi queimado, mas recebeu um pedaço do fêmur dele, dentro de um saco.

“Como é que um IML manda eu ir lá e, do nada, me entrega um pedaço do corpo do meu filho? Com mau cheiro já, com as moscas em cima, e eu andando desde 10h30, para cima e para baixo, com o pedaço desse corpo sem poder enterrar, sem poder abrir a cova. Sem autorização de juiz, não podia fazer nada. Isso é um absurdo, isso não pode acontecer”, desabafa a mãe do jovem. Franciele conta que não soube o que fazer ao receber o pedaço do corpo de Guilherme, e procurou a delegacia de Luís Eduardo Magalhães para orientação. Ela não conseguiria enterrar, pois não havia decisão judicial para reabertura do túmulo.

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Após enterrar filho assassinado, mãe diz que recebeu do DPT parte do corpo  que não tinha sido entregue antes: 'Absurdo' | Bahia | G1

Diante da situação, a polícia orientou que funcionários do IML voltassem à cidade de Luís Eduardo Magalhães e levasse de volta os restos mortais para o IML, em Barreiras. A mãe registrou o boletim e informou que vai comunicar ao Ministério Público (MP-BA). “Até as pessoas da delegacia de Luís Eduardo, que são excelentes e me atenderam muito bem, ficaram horrorizados com o caso. Um deles me disse que, com mais de 20 anos de profissão, nunca viu algo parecido”, disse Franciele. O G1 entrou em contado com o Departamento de Polícia Técnica (DPT), responsável pelo IML de Barreiras, e aguarda resposta. A família encontra entraves para sepultamento desde a morte de Guilherme. Primeiro houve demora em liberação do corpo e, depois, eles precisaram fazer um pedido à Justiça pela liberação do corpo, e assim realizar o enterro.

Investigação

Segundo a polícia, Guilherme foi vítima de homofobia, e o crime, que aconteceu no dia 12 de julho e teve requintes de crueldade, foi premeditado. O suspeito foi preso e transferido para Salvador. Ele cumpriu medida socioeducativa e está solto. Outro indivíduo também participou das agressões a Guilherme. O delegado Rivaldo Luz, coordenador regional de Polícia Civil da região e responsável pelo caso, informou ele não ateou fogo na vítima, mas participou da agressão e também deve responder criminalmente pelo fato. Este criminoso está em liberdade. // G1 Bahia.