Nelson Sirotsky, dono do Grupo RBS (controlador da afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul), fez tratamento do novo coronavírus com um combinado de cloroquina e azitromicina e teve alta do hospital nesta quarta-feira (25). Ele tem 67 anos e, por isso, faz parte do grupo de risco. O uso dessas drogas no combate à doença, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro, é foco de controvérsia entre especialistas.

Sirotsky recebeu o diagnóstico positivo e foi para a emergência do hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, no começo da semana passada. Com sintomas de febre, dor de cabeça, dor no corpo, tosse e indisposição generalizada, segundo conta ao Painel, Sirotsky não tinha falta de ar. Seu médico, Luiz Antônio Nasi, definiu o uso de cloroquina e azitromicina por sete dias. “Até o terceiro ou quarto dia, não senti melhoras, mas também não piorei e não tive falta de ar. Durante o tratamento, recebi também antibióticos para prevenir uma eventual infecção bacteriana. A partir do quinto dia, fui melhorando, me sentindo mais animado e mais disposto”, afirma o empresário. Ele diz que não chegou a ser entubado nem encaminhado à UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

“Ainda não posso afirmar que estou 100% curado. Por se tratar de uma doença até então desconhecida, estou em observação e meu isolamento está mantido por mais sete dias, quando receberei nova orientação médica”, completa. Sirotsky já está em sua residência. Ele é um dos principais sócios e membro do conselho de administração do Grupo RBS. A hidroxicloroquina entrou no debate da pandemia de coronavírus desde que o presidente americano Donald Trump levantou a possibilidade de o remédio ser eficaz para a Covid-19, no dia 19 de março. A fala provocou corrida às farmácias, deixou pacientes sem o medicamento e levou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a proibir a exportação e a venda sem receita no Brasil. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem lidado com o assunto com cautela.

Clique aqui para receber notícias do WhatsApp !

WhatsApp oficial 77 98838-2781 

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Jornal do Almoço | Nelson Pacheco Sirotsky fala sobre a trajetória ...

“Continuamos com indícios [de eficácia contra o novo coronavírus]. Foram poucos pacientes, não sabemos se o medicamento foi decisivo ou não”, disse. Ele também pediu para as pessoas não usarem o medicamento. “Esse medicamento tem efeitos colaterais intensos e não devem ficar na casa para serem tomados sem orientação médica. Vão fazer uma série de lesões [se automedicando]. Leiam a bula, não é uma Dipirona.” Ao mesmo tempo, o Ministério da Saúde anunciou que vai começar a distribuir 3,4 milhões de unidades de cloroquina e hidroxicloroquina aos estados para uso em pacientes com quadro grave pelo novo coronavírus em um protocolo experimental. Nesta quinta-feira (26), o governo federal zerou as tarifas de importação da cloroquina e da hidroxicloroquina, originalmente usados por pacientes com malária, lúpus e artrite. // Folha Online.