Ela ainda disse que suspeita estar grávida, mas se negou a fazer teste. Jasiane foi apresentada à imprensa nesta segunda-feira (30), em Salvador, cinco dias após ser presa em São Paulo.

A mulher apontada pela polícia como a maior traficante da Bahia foi apresentada durante coletiva policial realizada em Salvador, nesta segunda-feira (30). À imprensa, ela negou que tenha cometido os crimes que a polícia atribui a ela, como homicídios e tráfico de drogas, e disse que vai escrever um livro para contar a história da vida dela. Ela chegou a chorar na coletiva. Assista:

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Conhecida como “Dona Maria”, Jasiane Teixeira, de 31 anos, foi presa na última quarta-feira (25), na cidade de Biritiba Mirim (SP), onde estava escondida. Na sexta-feira (27), ela foi transferida para Salvador sob forte esquema de segurança, com mãos e pés algemados e olhos vendados. A mulher diz estar surpresa com a prisão e afirmou que desconhece todas as acusações feitas pela polícia. Ela também falou que está sendo usada para chamar atenção. “Eu quero dizer que isso é simplesmente holofote em cima de mim. Sou uma simples mulher, como outra qualquer, e me deram uma fama da qual eu desconheço. Isso para mim é tudo novo”, disse.

Flávio Góis e Marcelo Sanção, diretores da Depin e Draco, respectivamente — Foto: Alan Oliveira/G1

“Eu sou um ser humano qualquer, mãe, e sei que Deus tem um plano muito grande na vida. Inclusive, eu vou escrever um livro. Alguma editora que quiser. Se você tem uma oportunidade, pegue os limões e faça uma limonada”, completou. A suspeita também alega que acredita estar grávida, no entanto, se negou a fazer testes de gravidez propostos pela polícia e não quis comentar o motivo. Jasiane ainda contou que não tinha namorado, como afirmou a polícia. Segundo ela, o homem com o qual estava quando foi presa era um conhecido que apenas havia dado uma carona para ela. A suspeita disse também que estava em São Paulo para visitar uma das filhas, que mora na região.

 

Inicialmente, o advogado de Jasiane, Walmiral Marinho, havia divulgado que as filhas dela, que têm 10 e 4 anos, moravam com ela, contudo a informação foi corrigida pela polícia e pela suspeita nesta segunda-feira. De acordo com o delegado Marcelo Sanção, diretor do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), uma das meninas vive em Vitória da Conquista, no sudoeste do estado, com uma babá, e a outra mora em São Paulo, com um casal. Ambas mantidas financeiramente pela suspeita. Segundo o delegado Flávio Góis, diretor do Departamento de Polícia do Interior (Depin), a mulher movimentava muito dinheiro com a atividade criminosa no estado e, além das filhas, mantinha a faculdade de medicina de uma familiar no Rio de Janeiro.

Ainda conforme o diretor da Depin, a suspeita vivia em fuga, se deslocando por várias partes do Brasil, e usava documentos falsos para viver como uma pessoa inocente, porém em vida de luxo, com roupas de grife. A polícia, no entanto, não detalhou qual era o rendimento da suspeita com os crimes e nem em quanto estão avaliados os bens dela. Segundo o diretor da Draco, a situação ainda está em apuração. Assim como os crimes, Jasiane nega a vida de luxo. A suspeita diz que vivia com a ajuda da mãe e do aluguel de uma casa que tem na Bahia. “Minha mãe me ajudava com o que podia, eu tinha uma casa também, a partir desse aluguel. E era assim”. Após a coletiva, a mulher foi encaminhada para a sede do Draco, onde ainda será ouvida. Após depoimento, a suspeita segue para o sistema prisional. // G1 Bahia.