A disputa territorial pelo mercado ilegal de preenchimento do corpo com silicone terminou com um assassinato por encomenda e a queima de arquivo do homem que executou o crime. A história foi descoberta pela Polícia Civil, que prendeu duas mulheres no Rio nesta sexta-feira (18). Segundo a investigação, Fernanda Silva de Almeida, conhecida como Fernanda Bumbum, e Marcilene Soares Gama, a Leni, falsa médica que aplicava silicone industrial nas clientes, disputavam o mercado clandestino de procedimentos estéticos no Rio e na Baixada Fluminense há meses. Assista a reportagem do JN:

Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Siga nosso Instagram

Curta nossa Pagina no Facebook

Marcilene foi assassinada no dia 22 de julho de 2017 e seu corpo foi encontrado no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio. Fernanda foi presa dentro de casa, em Nova Iguaçu, nesta sexta-feira (18). Segundo o delegado Daniel Rosa, da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense, as investigações revelaram que as duas mulheres vinham trocando ameaças há bastante tempo. A “guerra do silicone” começou a ficar violenta quando, segundo a polícia, Fernanda contratou Diego Luiz Teodoro dos Santos, de 29 anos, um de seus clientes, para matar Leni.

De acordo com a investigação, o plano de Fernanda Bumbum para eliminar sua principal concorrente contou com a ajuda de uma amiga, Natália Alves de Souza, de 33 anos. O papel de Natalia na trama teria sido se aproximar de Marcileni e ganhar a confiança da vítima. Natalia reuniu fotos e outras informações, como o endereço e a rotina de Marcilene. Para concluir o assassinato da rival, como informou o delegado que investiga o caso, Fernanda entregou a Diego R$ 10 mil, a arma do crime e disse que ele ainda poderia ficar com qualquer objeto de valor da casa de Marcileni. No dia 22 de julho de 2017, Diego foi flagrado por câmeras de segurança indo em direção à casa de Marcilene, com a desculpa que queria fazer algumas aplicações de silicone no corpo.

Segundo as investigações, Diego arrastou Marcilene pelas escadas do prédio. Em seguida, os dois entram no carro onde Marcilene foi morta com dois tiros na cabeça. O corpo de Leni foi abandonado numa rua do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. No dia seguinte, Fernanda mandou matar Diego como queima de arquivo, de acordo com a polícia. O pai de Diego colaborou com as investigações. Ele revelou que o filho tinha contado com Fernanda e que havia matado Marcilene a mando de Fernanda. “Ele me mostrou a arma. Eu tomei um susto, passei mal. E ele me narrou que tinha cometido o crime com a Leni. Me narrou toda a dinâmica. Como ele chegou, como ele foi, como ele entrou, como ele abordou. Ele narrou que tinha sido contratado por esta mulher chamada Fernanda”, contou o pai de Diego. Natalia foi presa na cidade de Lucelia, no interior de São Paulo. Fernada também foi presa nesta sexta-feira (18), em casa, em Nova Iguaçu.